Cada homem pode utilizar o extensor PeniMaster.

Curvatura peniana congénita ou adquirida (Peyronie)

Curvatura peniana congénita (desvio peniano)

É normal que o pénis erecto não é totalmente recto, apresentando curvatura mais ou menos acentuado. Presume-se que a causa da curva peniana possa ser falta temporária de testosterona durante a gravidez, desde que não exista malformação da uretra e dos corpos cavernosos (hipospadia).

Uma pequena curvatura do pénis não restringe o homem durante o coito. Todavia, o desejo de rectificar o pénis pode ter motivos estéticos e/ou psicológicos, em caso de desvio lateral ou para baixo. O encurvamento moderado para cima, no entanto, pode ser considerado positivo por ser sinal óptico da força viril, já que um pénis curvado para cima apresenta erecção subjectivamente mais subida, em comparação com um pénis recto.

Quaisquer ângulos de curvatura a partir de 30 graus dificultam a penetração do pénis na vagina e podem fazer com que a mulher sinta dores. Eventuais encurvamentos ainda mais acentuados são passíveis de impossibilitar a penetração, tendo por consequência que o homem deve abdicar de sexualidade normal. Tal desvio peniano pode ser operado através da tirada de tecido excessivo, com perda tolerável de substância do pénis (métodos Nesbit).

Curvatura peniana adquirida (Peyronie / induratio penis plastica)

Na alteração do tecido peniano (Peyronie, também designada induratio penis plastica, IPP) pode ser frequentemente observado forte encurvamento ou desvio de até 90 graus do pénis, com erecções dolorosas, problemas erécteis ou perda de sensibilidade da glande. O pénis pode ficar muito mais curto.

A Peyronie é um endurecimento diagnosticável ("placa") que pode ser apalpado no pénis e provavelmente é resultado de uma inflamação entre os corpos cavernosos penianos e a túnica que os rodeia. A Peyronie pode surgir entre 20 e 80 anos de idade, não sendo idêntica ao desvio peniano inato (ver acima).

Tratamentos

O tratamento com medicamentos inespecíficos ou terapias físicas (radioterapias, ultra-som, laser) nem sempre obtém a cura ou melhoria sintomática desejada.

Para efeitos de tratamento de desvio peniano provocado por placas existem vários métodos de operação. A intervenção cirúrgica mais frequente é a tirada de tecido do lado oposto às placas. Porém, este método tem por consequência que o pénis fica mais curto (método Nesbit). Muito mais dispendiosas são a remoção das placas e a substituição por tecido do corpo humano ou por colagens. Como última hipótese, os corpos cavernosos podem ser substituídos por um implante.

Uso do PeniMaster® para tratar a curvatura peniana inata e adquirida

Os extensores penianos PeniMaster e PeniMasterPRO podem ser usados para mitigar encurvaduras penianos.

A aplicação do PeniMaster é capaz de obstar ao encurvamento peniano em avanço durante uma Peyronie incipiente. Mesmo anteriormente a uma rectificação operatória do pénis por Peyronie diagnosticada ou desvio peniano inato, o uso regular do extensor pode rectificar o encurvamento pelo que pode ser tirado menos tecido de compensação e o pénis fica menos encurtado. O extensor até pode ter impacto positivo no processo de cicatrização retractivo e apoiar o resultado cirúrgico.
Fio de prumo com cordão vermelho

Operação de rectificação peniana

Técnica de incisão na rectificação operatória do pénis
Fig. 1
Em caso de curvatura extrema patológica (Peyronie) de um lado do falo formam-se acumulações de tecido (em semi-círculo) enquanto o outro lado deixa de poder ficar erecto. O cirurgião corta uma parte do pénis no lado pobre em tecido (triângulo) e volta a cosê-la. De seguida, o falo está mais direito, no entanto, fica (vários centímetros) mais curto.
PeniMaster no Google+ PeniMaster no Facebook PeniMaster no Twitter
Vídeos
Logótipo do produto PeniMaster

Uso do extensor peniano PeniMaster® em caso de curvatura peniana inata e adquirida (Peyronie)

  • Curvatura peniana inata
  • Peyronie (induratio penis plastica, IPP)
  • Peyronie: alteração do tecido como consequência de uma inflamação
  • endurecimento apalpável, susceptível de provocar desvio peniano, problemas erécteis e dores
  • ausência de encurvamento peniano "normal"
  • diferentes possibilidades de terapia
  • extensor peniano para diminuir desvios penianos e o tratamento conveniente antes e depois da intervenção cirúrgica